quarta-feira, 30 de março de 2016

INTER dentro fluxus CÂMBIOS - patrícia santos



Águas de março . . .  inter  dentro  fluxos  câmbio! 

Foto: Amanda Lopes

Quando a presença do outro em tudo que ele tem de estrangeiro nos inspira e nos re-corda do que nos move. Estar durante o mês de março com o Khosro Adibi e a obra Sapatos Vermelhos de Elina Chauvet foi essa intensidade do desejo que se renova no estrangeiro dos encontros: estar fora de si para re-[florescer]-cordar (descobrir) o que move o si de cada um.

Khosro nos lembra dessa conversa da dança: estar presente de corpo a corpo com a vida na escuta, pergunta, pausa, resposta, atenção, respiração, coletividade da criação.


Lembra-te quando dançar era encontro? 

Re-corda-te quando a vida era criação-dança-ebulição e criar era tudo o que se queria?

Lembra-te quando víamos mais o lado cheio da vida?

Lembra-te quando o brinde era feito dos 
temperos de cada um?

Quais temperos os participantes do workshop trouxeram e levaram desses nossos encontros?

Quantos encontros a obra Sapatos Vermelhos agenciou? fluxos pessoas, espaços, paradigmas, afetos . . .

Ver esse lado cheio da vida, a parte com água do copo para sabermos mais de nossas potencias, dos desejos, dos sonhos que reverberam, transbordam, nos fazem respirar.

Ver o cheio, sentir o que vibra, tomar nossos desejos como responsabilidade nossa de realiza-los e saber que tem pessoas que acreditam e querem colaborar nessa aposta.

Março trouxe essas aguas transbordantes do Khosro, essa água-presença renovadora e que nos pergunta: Lembra-te da tua paixão?




A aposta? A minha aposta?

“PAIXÃO XAMA PAIXÃO” (alice ruiz)


Patrícia Santos, inventora, educadora, dançante e . . .

domingo, 27 de março de 2016

Sapatos Vermelhos - Voz de Cristiane Santos


Foto: Barbara Morais


Terezinha de Jesus
Meu divino Espírito Santo
Divino consolador
Consolai a minha alma
Quando deste mundo eu for

Terezinha... Terezinha
Terezinha de Jesus
Na hora da sua morte
Terezinha acende a luz

Sapatos Vermelhos para aquelas que vieram antes de nós e para aquelas que virão depois de nós.
Sapatos Vermelhos uma resposta ética e estética contra o feminicídio de mulheres na cidade de Juarez- México, criada pela artista plástica Elina Chauvet, esta obra tem percorrido o mundo como uma urgência para nossos tempos.
Fazer ecoar pelas ruas este canto visceral trazer a tonas estas vozes de mulheres que são violentadas cotidianamente, revelar as sutileza e grandezas da força do feminino.
Estes corpos espectrais percorrem as ruas da Marechal Deodoro em direção a Praça Santa Filomena neste dia 08/03/2016, provocando um encontro poético com o corpocidade, que ainda insiste em presentear as mulheres neste dia com flores esquecendo-se que é preciso uma mudança imagética e social para a preservação de nossa espécie.


Pela rua da amargura 
Sangue aqui escorreu
O céu se cobriu de luto
A filha de Deus morreu

Terezinha... Terezinha
Terezinha de Jesus
Na hora da sua morte
Terezinha acende a luz
Poeticamente ocupamos este espaço...


Cada passo ajoelhava
Com seus bracinhos abertos
E vossa mãe lhe dizia
Filha chegue para perto

Terezinha... Terezinha
Terezinha de Jesus
Na hora da sua morte
Terezinha acende a luz

E o universo simbólico é a morada de nossa resistência...

Não chore estrela, não chora
Que ainda hoje estou contigo
Só chores quando me vê
Nas ondas do mar perdido.

Terezinha... Terezinha
Terezinha de Jesus
Na hora da sua morte
Terezinha acende a luz

Esta performance é para todas aquelas que vieram antes de nós e para todas aquelas que nascerão depois de nós...esta performance é para que estes novos fluxos de idéias e criações se fortaleçam, repliquem...esta performance é para que nenhuma mais passe por qualquer tipo de violência...esta performance é para que nosso CORPOALMA se REBELE sempre que for intimidada ou coagida por uma atitude machista...esta performance é um canto/convocação...é nossa poética de resistência...

Cristiane Santos, atriz e dançarina da Cia. As Marias e Cia.Corpocena

Sapatos Vermelhos - olhar de Khosro Adibi

Fotos da perfomance para a obra Sapatos Vermelhos de Elina Chauvet (Juarez-Mexico) por nosso querido Khosro Adibi.





























sábado, 26 de março de 2016

Sobre dia 08 de Março e Sapatos Vermelhos- Voz de Cibele Mateus

Meu divino Espírito Santo                                
Divino consolador
Consolai a minha alma
Quando deste mundo eu for

Terezinha Terezinha
Terezinha de Jesus
Na hora da sua morte
Terezinha acende a luz  

Pela rua da amargura 
Sangue aqui escorreu
O céu se cobriu de luto
A filha de Deus morreu

Cada passo ajoelhava
Com seus bracinhos abertos
E vossa mãe lhe dizia

Filha chegue para perto

Não chore estrela, não chora
Que ainda hoje estou contigo
Só chores quando me vê

Nas ondas do mar perdido.
Foto: Barbara Morais

Somos nós, Patrícia, Cristiane, Valquíria, Cibele, Silmara, Cíntia, Tatiane, Bárbara, Maria... Marias, inúmeras mulheres de sapatos vermelhos.

E se um dia uma de minhas irmãs não voltar pra casa? E se eu não mais voltar?

Morrer pelo simples fato de ser mulher – Feminicídio.

Irmãs, irmãs, irmãs!

Eu ouço as suas vozes...

Eu hoje ganhei a minha própria voz e grito cantando.  

Sapatos vermelhos – um grito pelas filhas, irmãs, mães que não puderam voltar para casa.
Pelo direito de andar por qualquer parte, em qualquer hora do dia, com a roupa que eu quiser, sem ter de carregar pedra no bolso, arrastar pedaços de pau. Armas pra me defender de... Um possível ataque.

Choremos as mortes de milhares de mulheres, clamamos pelo direito de ir e vir, de ser o que somos. Gritamos por justiça e paz na cidade de Juarez, no Brasil e em todo mundo. Liberdade a nós mulheres.

Cibele Mateus, atriz e dançarina da Cia. As Marias
 

Sapatos Vermelhos - voz de Valquíria Vieira


É de suma importância a realização de ações de resistência no dia Internacional da Mulher, não podemos esquecer que esta data tem relação com uma luta que ainda há muito o que avançar: A luta pelos direitos da mulher! Não podemos aceitar a imposição do mercado de consumo que quer vender produtos e acaba por reforçar a ideia de "mulher bibelô". A obra de Elina Chauvet nos provoca a tomar partido, a compartilhar de um luto que é de todas nós. 

Foto: Barbara Morais
A parceria entre as Cia. As Marias e Corpocena é fortalecida por questões comuns, pela criação de poéticas de resistência, concretizadas na performance "Sapatos Vermelhos" pelo ritual de busca e lamento, ações escolhidas pelas artistas para montar a instalação e, ao envolver o publico na angústia da procura, faz um convite à partilha dessa causa.


Valquíria Vieira, Atriz e Bailarina da Cia. Corpocena